19 de mar de 2014

Review - Bates Motel - S02E01 / S02E02 - Gone But Not Forgotten / Shadow Of A Doubt


[SPOILERS]




Confesso que esperava mais da volta de Bates Motel. A saudade era grande e pode ser que isso tenha contribuído para uma criação de grandes expectativas. Ou não. Talvez eles estejam dando importância demais para essa galera da plantação da maconha e deixando as coisas mais interessantes de lado. Não era assim que eu gostaria de começar o texto da volta dessa que foi uma das melhores surpresas do ano passado ~pelo menos pra mim~, mas vamos lá.

Como a gente bem se lembra, a temporada passada terminou com a morte da professora e o surto do Norman, e ninguém sabe ainda se ele é maluco ou culpado. Os apagões, que não deixam ~claro~ o que aconteceu entre o jovem Bates a professora naquela noite, estão contra Norman e despertam a suspeita de Norma. Apesar das também suspeitas do Romero, no première dessa temporada, com relação a Norman, o 2x02 nos mostra um “qualquer” sendo preso, por haver indícios de que ele e a professora Watson tiveram relações na noite do assassinato.

O próprio Romero não parece muito firme ao prender o rapaz, justamente por ter encontrado mais de uma amostra de sêmen no corpo de Blair. Fico na dúvida se: 1) ele prendou o cara porque precisava prender alguém; 2) se fez isso de propósito porque sabe quem é o verdadeiro culpado e quis livrá-lo; 3) se ele sabe que foi o Norman e quis livrá-lo. Já sabemos que a polícia da cidade é condizente com o tráfico, e em breve saberemos qual é o verdadeiro papel do Romero nisso.

Enquanto isso, Norma se preocupa com a (in)sanidade do filho, que parece ter um interesse maior por coisas mortas (não só a professora, como pela taxidermia), e mantém suas dúvidas sobre a inocência de Norman. Ela pode ser super protetora e ter uma relação ~doentia~ próxima até demais com o rapaz, mas a gente não pode negar que ela quer o bem dele. Tenho certeza que se ele for culpado de alguma coisa, ela vai ser a primeira a tentar enrolar qualquer investigação e despistar o Romero, custe o que custar. Eu, particularmente, ainda acredito que ele não tenha feito. Ele pode até ter dado uns pegas na professora depois do baile, mas aí matar? Espero que não.

Agora, vamos falar de coisas chatas? Sim, vamos falar da Bradley, essa jovem rebelde ~sem causa~ com síndrome de Marissa Cooper, que conseguiu, em dois episódios, me irritar mais do que fez em uma temporada inteira. De todas as coisas sem noção de Bates, a Bradley matar o assassino do pai e não ser pega foi a pior. Ela não matou um cara qualquer, e sim um dos envolvidos no tráfico na cidade. Ou seja: não só a polícia, como os ~capangas~ do morto, com certeza, não iriam deixar isso barato. Mas deixaram. E com a ajuda de Norman e Dylan, Bradley fugiu para Orange County e viveu feliz para sempre, tendo um final diferente da sua musa inspiradora Marissa Cooper. 

Brinks. Não sei se ela ainda vai aparecer, se ela vai morrer ou se o nome dela vai ter alguma relevância para a série. Pensei que, quando o Norman pediu para o Dylan ajuda-la, ele iria fazer alguma coisa com a Bradley. Afinal, não foi a gangue rival ~ou sei lá quem~ que matou o Gil. Porém, não aconteceu. Dylan é bobinho demais e tenho certeza que também é apaixonadinho por ela, não iria fazer isso. Nem parece que ele é filho da Norma e irmão do Norman. De qualquer forma, você já vai tarde e espero que não volte, Bradley.

E a pergunta que fica no ar, é:

- Quem é esse irmão da Norma e o que ele quer? 

Alguma aposta? Eu arriscaria em: mais um traficante. Afinal, quem não é traficante nessa cidade?!

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...