14 de mai de 2014

Review - The Blacklist - Seoson Finale - Berlin n°8 - Conclusion


The Blacklist e a arte de terminar a temporada com mais perguntar do que começamos... Quase não acreditei no que estava acontecendo. Não aquele “q” que faz a gente esperar ansiosamente pelo retorno da serie, mas definitivamente deixou um caminho e uma curiosidade enormes para a segunda temporada.

A principio eu realmente fiquei chateada com o Red ser preso, largado no fundo de uma cela, amarrado feito um bichinho de circo – detesto a forma como prendiam os bichinhos de circo – e toda a Força Tarefa sendo desmontada, eu não acreditei que terminaria assim... ai comecei a torcer para Lizzy entrar lá e soltar o Red, mas algo melhor nos aguardava. Enquanto isso, vemos o Tom, chegando em casa e entregando uma lista com os nomes da força tarefa para o homem que seria Berlin. E ainda tinham todos aqueles prisioneiro que foram recapturados depois da queda do avião falando sobre o homem alto, de capuz que estava aprisionado a um guarda e então cortou a mão dele para se soltar e fugir.

Quando disseram que o Red tinha uma visita, achei que fosse a Lizzy, ai aparece o Alan conversando com ele, dizendo que ele preso ali não é vantagem pra ninguém e tal e que ele conseguiu uma transferência pro
Red. Gente, não tem como não gostar do Red, ele olhando pro carinha no carro e dizendo “Claro que só poderia ser você, porque a sorte me ama muito” foi muito bom. Então ele me foge de uma forma espetacular e liga pra Lizzi com apenas alguns arranhões pra avisar que todos estão em perigo.
No momento em que a Lizzy não conseguiu falar com o Ressler e com a Meera, e apareceu os dois naquela boate atrás de um dos presos que estava no avião que caiu, eu tive certeza que aconteceria alguma coisa, mas gente, porque matar, tipo, matar matado, a Meera, ela era legal e tinha duas criancinhas e aquilo foi desnecessário! Me deu dó de mais de ver ela morrendo assim, sem nem mesmo ter a chance de se defender.
Foi realmente interessante a equipe toda ser marcada com alvos, pois deu um clima tenso ao episódio. Simplesmente o Ressler sendo mal com o carinha e conseguindo que ele falasse. E depois o Harold dizendo pr
a ele, quando ele perguntou sobre envolver o Departamento de Estado, “Não, eu quero que você envolva o Reddington”. E o que falar da performance do Red com o Embaixador Russo, ele com aquele cachorrinho de madama no colo, e o embaixador falando pra ele “Por Deus, se você o machucar” e o Red “Céus, eu não sou um monstro, porque acha que eu machucaria um cachorro” e ai ele joga a faca na perna do Embaixador e fala, todo animado “Já você, por outro lado”.

Então conhecemos, pelo guarda que sobreviveu e teve a mão arrancada, a história do Berlin, e gente, que história. O cara foi mais do que treinado pela Rússia, ele foi do Exercito Vermelho, da KGB, conhecido por mandar os inimigos para campos de Guerra na Sibéria, ai a filha dele se apaixonou por um dissidente e foi capturada, ele ajudou a menina a fugir, mas foi preso e mandado para a Sibéria, então, os inimigos dele mandaram a filha dele de volta, pedaço por pedaço, e ele usou, segundo as histórias, um osso da filha para fazer uma faca e fugiu, matando todos os guardas e indo atrás do responsável pela morte da filha dele.
Em seguida, enquanto ainda nem absorvemos o choque da história do Berlin, o Harold é atacado no carro e praticamente morre – ok, na hora eu achei que ele tinha morrido mesmo.

E gente, o que falar do Ressler, ele teve seu auge sendo realmente o “cara mal” ao interrogar aquele carinha que estava com lista de nomes, e adorei o fato de ele ter conseguido o nome do suposto Berlin. Adorei também o Red mandando o Alan encontrar o Berlin que ele faria o resto.  Foi um alivio a Lizzy falar que o Harold ainda estava vivo. E o Red contando sobre o pai biológico dela estar morto e por isso o Sam ter criado ela, e que ela foi levada ate ele por um amigo do Sam... Eu ainda acho que ele é o pai dela, e a frase “Seu pai esta morto” pode se referir ao fato de que naquela noite, o Red realmente mudou, se tornou um homem diferente do que era, e saber quem ele era poderia colocar a Lizzy em perigo. Que dó dele falando que a pior coisa que ele já fez foi ter matado o Sam.

O Red invadindo o local onde estava o Berlin, atirando em todo mundo com aquela frieza de que esta fazendo algo do cotidiano foi ótimo. Sem falar dele ‘buscando a verdade’ com o Berlin. Achei legal o fato dele não saber o porque o Berlin está atrás dele. E devo confessar, que embora eu seja contra a tortura e a violência, eu adorei ver o Red atirando no cara. E ai, para mostrar que sempre pode fazer algo bobo, a Lizzy esta lá, esperando no carro enquanto Red fala com O assassino e nem sequer tranca a porta do carro. Céus, ela viu o Tom quando ele já estava abrindo a porta, ok, mas porque ela não trancou o carro!?

Já que chegamos ao Tom, ele é um psicopata completo, a cara que olhou pra Lizzy ao dizer “Ola Baby”, e depois, apontando a arma pra cabeça dela tentando parar o Red, aconteceu tudo tão depressa que eu quase acreditei que o Tom tinha acertado a cabeça do Red e depois acertado a Lizzy, só quando ela se afastou foi que eu notei que ela quem tinha atirado nele, e depois atirou mais duas vezes, e o Red estava
bem.

Fiquei novamente com dó ao ver a foto dos filhinhos da Merra com ela, foi uma morte injusta de mais. Mas, para provar que vencer o Berlin foi fácil de mais, o Aran chega com o laudo de um dos prisioneiros que havia sido carbonizado, e para nossa surpresa, não era um prisioneiro, era o terceiro guarda. Mas o terceiro guarda não estava na cadeia? Pois é, Aran explicou isso pra gente, o que aconteceu foi a tal Ambiguidade Lexical, onde os prisioneiros falaram uma coisa e entendemos outra. Isso foi, sem sombra de duvidas, uma das coisas mais geniais do episódio, na verdade, quando os prisioneiros disseram “ele cortou a mão dele” estavam se referindo ao Berlin estar cortando a própria mão. O que faz do homem no hospital, ser o verdadeiro Berlin e não aquele que o Red matou, e agora, é claro, ele já fugiu o hospital.

E é claro também, que o Red já sabia que ele não era verdadeiro. Achei fofa a conversa da Lizzy com o Red e de ver o Harold reagindo ao final de tudo.

E para encerrarmos, vamos falar do Red, Lizzy e Tom. Começando pelos dois primeiros, que coisa mais amável ela indo ate ele, então mandando o taxi embora e ficando com o Red. Eles conversando no final de tudo. Ela já sabe que ele é o pai dela, acho que agora ela só quer entender o porque. E convenhamos, o Red tem de ser pai da Lizzy, aquelas cicatrizes de queimadura nas costas dele só provam isso, não é?
E o Tom, gente, esse cara fez Horcrux, porque não é possível, levou três, não recebeu atendimento médico e ainda está vivo. Ele só pode estar mexendo com magia das trevas, não tem outra explicação!

Por fim, uma teoria meio improvável, eu acho que o homem por quem a filha do Berlin se apaixonou foi o Red, e por isso o Berlin esta atrás dele, porque a credita que a culpa da moça ter morrido foi do Red. E isso coloca a Lizzy como neta do Berlin. Porque vejam, a foto que o Red tem, aquela que ele roubou no episodio do químico, é, de certa forma, parecida com a que o Berlin carrega no relógio, então, faz sentido que sejam a mesma pessoa.


Por hoje é isso gente, espero que tenham aproveitado e ate a próxima temporada de The Blacklist *-*

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...