16 de out de 2014

Review|Agents of S.H.I.E.L.D. – S02E04 – Face My Enemy


“Não importa o que aconteça, eu vou cuidar de você”

Duas palavras definem esse episódio: May e Fitz. O que foram eles nesse episódio! Devo admitir que eu esperava um episódio divertido, com mais explicação do que ação, e ai me vem esse episódio repleto de Mays e efeitos especiais a lá Capitão América. Eu simplesmente adorei.

No comecinho do episódio, quando apareceu aquela Igreja e a história do quadro, eu jurei que o carinha que foi ate a Igreja destruída era da H.I.D.R.A., serio, acho que estou ficando paranoica com isso, todo mundo suspeito me parece H.I.D.R.A., isso que aquele senhor era um Padre. Enfim, adorei o Lance roubando as informações, a cara da Skye pra ele, enquanto ele fazia seu difícil trabalho de agarrar aquela garota, foi engraçada de mais.

E o que falar daquela festa, a começar pelo valor absurdo dos ingressos, e do Mack falando que restaurou sozinho aquele carro, e o Coulson respondendo “Não vou deixar você mexer na Lola”. A cara assassina da May ao precisar usar saltos, e depois aquela mudança completa de atitude dela. Gente, acho que nunca vou cansar de me surpreender com essa mulher. Eu não consegui não rir – e muito – com aquela gargalhada dela, o dialogo da cena ajudou, porque é impossível não rir com a Skye perguntando, ao som da risada, se a May está bem e depois a May falar pro Coulson “Meu rosto dói”. Eu realmente achei que não acharia muito graça nessa operação disfarçada dos dois, mas eu amei. O que foi o Coulson tirando a May pra dançar, ok que eles usaram a dança para averiguar a segurança, mas que o Coulson estava se divertindo com a situação, a isso estava. Ate o Talbot Encosto aparecer.

Juro que eu acreditei fielmente que era ele, claro que eu achei estranho ele ser educadinho daquele jeito com o Coulson, mas imaginei que era porque ele tinha um plano de prendê-lo.  Quando a May estava flertando com o carinha lá, e eu novamente tive de rir com ela pedindo pro Coulson tirar uma foto de ambos, e o cara perguntou “Ele é seu marido?” e ela disse “Humhum, somos modernos”, e apareceu o Talbot, eu realmente achei que fosse ele. Mesmo quando apareceu ele conversando com a HIDRA eu nem desconfiei, eu só xinguei ele por ser duplamente babaca. Então, é claro, eu nem desconfie quando fez um trato com o Coulson, eu imaginei que ele não iria e pronto. Mas a May, novamente divando, mostrou que eu estava sendo completamente enganada pela H.I.D.R.A., e que o Talbot, não era o Talbot de verdade, mas sim o filho da mãe do Bakshi.

Confuso, sem problemas, aqui estou para explicar. Para quem não lembrou, ou não viu Capitão América 2, aquelas ‘mascaras’ que o Bakshi estava usando, é igual, ou muitíssimo semelhante, a que a Natasha usou enquanto enfrentava o Pierce, que foi o responsável por manter a H.I.D.R.A. escondida dentro da S.H.I.E.L.D.. E aqui, fazendo um parênteses no episódio, a equipe de efeitos visuais e especiais estava de parabéns, porque estava tudo ótimo nesse episódio.

Voltando, que ódio da Agente 33, eu sei que não é culpa dela, mas mereceu a surra que levou. Quando a May entrou na sala, e descobriu que o Talbot era o Bakshi, como eu gritei pra ela arrebentar ele, mas dois contra um e mais uma arma de choque é covardia. No entanto, foi interessante ver toda a preparação da Agente 33 para se tornar a May, usando a mesma tecnologia poção polissuco, que o Bakshi estava usando para ser o Talbot. Mas eu não imaginei que o Coulson já estava no avião. A cada dia tenho menos apresso pela H.I.D.R.A., gentinha maldita viu. A Agente 33 pode ser se saído bem de inicio, mas ela não enganou o Coulson por muito tempo não, só o que me preocupa, é que ele, sem querer, acabou contando que era o diretor da S.H.I.E.L.D., mas isso viria a tona uma hora ou outra. Eu amei ele dando um soco na cara dela e dizendo “May odeia café”.

E claro, nesse meio tempo, temos a May acordando, amarrada, em uma sala com o Bakshi, mas dessa vez, ele ameaçou a agente errada, nem ameaça com choques a fez baixar a guarda. Eu vibrei muito quando ela se soltou e quebrou a cadeira, a cara de horror do Bakshi foi boa de mais de ver, e ela vindo correndo pra cima dele então, só não superou a luta May x May, aliás, acho que pouca coisa supera essa luta, ainda mais com o Coulson dizendo “Não acredito que sou o único a ver isso”. Eu sou muito contra violência, mas eu amei a surra que a May deu na Agente 33, foi épico, não poderia ter sido melhor. Gostei muito do Coulson atirando no Bakshi também, mas gostaria que eles tivessem levado a Agente 33 com eles.

Não pensem que eu esqueci do Bus e do restante da equipe, é aqui que vemos a outra metade da definição do episódio, o pequeno macaco fofo Fitz.  Enquanto o Coulson e a May lutavam contra a HIDRA, a May falsa havia deixado um ‘presente’ no Bus, uma esfera maligna – começo a desconfiar que a HIDRA tem convenio com os filhos de Hefesto, porque olha -   que deu curto em todo sistema. E quem conhece o Bus melhor que ninguém e é o engenheiro mais brilhante do mundo? Isso mesmo, Leo Fitz. O coitadinho já havia passado o episódio todo se esquivando dos outros, fugindo das conversas, conversando apenas com sua Simmons, que tem um gênio muito Simmons original, mas quando eles realmente precisaram de ajuda, lá estava ele, pronto pra ajudar, da sua maneira ‘danificada’, mas ainda assim, genialmente. Achei o máximo que foi o Hunter a ir com ele consertar as coisas, e foi uma gracinha o Fitz falando “Buuum” cada vez que se referia a uma explosão eminente.

Depois de tantos risos, era obvio que o final seria tenso. A conversa entre o Coulson e a May foi, ao mesmo tempo, doce, triste e preocupante, porque ouvir que ela tem um plano e que jamais mataria ele, e ela ainda completar dizendo que sempre cuidaria dele, é o que qualquer um precisa ouvir, mas vê-lo praticamente implorando para que ela o matasse caso ele perdesse o controle, eu nem quero imaginar isso. Quanto ao Mack, Hunter e Fitz, é muito legal ver ele conversando, e o Lance é muito gentil com o Fitz, mas ai, o Fitz diz, já que a todo momento o Lance fala de sua ex, que ele não tem uma ex, mas que tem uma garota que ele ama, e que ele disse isso a ela, e por ela não sentir o mesmo, ela partiu. Isso não se faz, eu queria gritar pra ele, que a Jemma ama ele sim, e que ela só partiu porque alguém precisava ir naquela missão. Não é justo ele acreditar que foi abandonado quando ela se preocupa tanto com ele. Cansei dessa brincadeira, quero os dois juntos de novo agora!

Finalizando, e hoje nem vou me desculpar pelo Review enorme, até porque, já virou tradição ele ficar desse tamanho, vemos a Raina falando com alguém no celular e entrando em um carro, então agentes da H.I.D.R.A. a cercam e o Dr. Whitehall entra no carro e fala do Obelisco, ela tenta fazer seu joguinho desentendido, e ele prende um treco do mal na mão dela. Eu não gosto dela, acho bem feito que ela tenha achado alguém que não caiu na conversa dela, mas precisava ser justo o Dr. Whitehall!? Bem, agora é esperar a próxima semana e descobrir o que vai acontecer, e pela promo, não será algo muito bom. Mas já vou avisando, que se a Raina colocar a Jemma em perigo, eu mesma esgano ela.

Ah, já ia me esquecendo, outra coisa que tem merecido muito destaque, mas que eu tenho falado pouco, é a interação entre o Tripp e a Skye - que estava mega desconfiada do Coulson hoje -, não os vejo como um casal, mas olha, a amizade entre eles tem se mostrado muito bonita.


Por hoje é isso, espero que tenham gostado e até a próxima Agentes *-*

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...