8 de jan de 2015

Review| Agent Carter - S01E02 - Bridge and Tunnel



"Não há um homem ou mulher, não importa o quão ele ou ela seja capaz  que possa carregar o mundo inteiro nas costas"

E aqui estamos nós com a segunda parte da estreia de Agent Carter, que seguiu na mesma linha cheia de adrenalina e momentos cômicos da primeira parte. E antes de qualquer coisa, preciso dizer que esse programa de rádio do Capitão América é muito bizarro, pobre Peggy, parecia ter dor de barriga cada vez que o ouvia.

Seguindo a trama, Peggy precisa descobrir onde está o caminhão da empresa de leite repleto de bombas de  nitramene. Mas antes, ela precisa encontrar um lugar novo para morar. E aqui, vale ressaltar, que eu realmente senti pena dela, por ter medo de se aproximar de mais da Angie e acabar por perder essa amiga também. Achei cômico a Peggy dizer ao Jarvis que não poderia ficar em uma das casas do Howard e ele dizer "Ah, então você não quer conhecer o quarto principal". E o que foi aquele guarda-roupas cheio de roupas femininas, novamente, nem precisa de DNA pra provar que o Tony é mesmo filho do Howard.

Gente, essa Agente Carter realmente se entrega a seus disfarces, quando ela apareceu como uma 'Agente de Saúde' para averiguar supostas reclamações sobre a empresa de leite, eu ate achei que nem era ela, de tão diferente que ficou, ate o sotaque britânico foi embora. E enquanto a Peggy agia as escondidas e com enorme classe, sim, estou aderindo a sua causa feminista, os outros agentes da SSR tentavam entender o que era a pilha de destroços do que um dia foi uma refinaria química da Roxxon, e olha, palmas para o Howard por ter inventado algo desse gênero, pena que caiu em mãos erradas, embora esse tipo de arma sempre esteja em mãos erradas, seja lá na mão de quem estiver... enfim, eu ri com o Krzeminski perguntando se os outros achavam que se tratava de um imã, e o Thompson respondendo que madeira e pedra não possuem magnetismo, ai ele responde "Desculpe, sr. Isaac Newton" e o Thompson responde "Ele falava sobre gravidade, seu macaco idiota". Juntamente com tudo isso, temos o carinha da maquina de escrever que também esta atras do caminhão de leite.

Uma das sequencias mais engraçadas é a que se segue após o Agente Sousa receber as fotos da boate
para tentar descobrir quem é a loira misteriosa. A Peggy só não arrancou as fotos da mão dele porque ela tem nervos de adamatium, porque olha... Ela tentando abrir a gaveta depois que o Sousa saiu, sem que ninguém notasse, foi hilario, e pra ajudar ainda o telefone tocando, ri de mais com ela se esgueirando para a própria mesa e fingindo que nada havia acontecido quando ele a olhou assustado e disse que o Chief queria falar com ela. E o que o Agent Chief queria, exatamente, o aparelho que mede as radiações vita. Outra cena maravilhosa, ou sequencia, como queiram, foi a Carter chegando na Roxxon e o diretor falar "Não sabia que o governo tinha bom gosto para secretarias, qual é o seu nome querida?" e a Peggy, com toda classe, responde "Agent". Claro que não termina ai, ela precisa ficar e ajudar a testar os funcionários, pois a explosão pode ter sido causada por alguém de dentro, após se auto-verificar, eis que aparece o homem que estava no galpão, em quem ela atirou um raio de luz, e não havia raios vita nele, mas ela sabia que ele estava lá, então, ela sugere que averiguem as roupas dos homens também, o homem sai correndo, e todos os agentes atrás, eu gargalhei com ela perguntando onde o corredor daria e descendo as escadas com toda classe, e dando com uma maleta nas pernas do homem, o derrubando sem fazer o menor esforço e ainda perguntando aos outros agentes "Poço fazer mais alguma coisa?".

Mas ok, só eu fiquei chocada com os métodos de interrogatório da SSR, gente, eu não entendi o porque da cenoura e do pedaço de pau, certo, eu ainda não entendi a da cenoura, e nem sei se quero, mas quando mandaram o carinha morder o pedaço de pau e começaram a bater nele, nossa, fiquei ate feliz de terem mandado a Carter pra casa. Não sei porque, mas como eu disse anteriormente, simpatizei de mais com o Jarvis, e achei uma graça ele lamentando ter de se livrar do outro carro. Adorei também, que enquanto os demais agentes descobriam o nome do motorista do caminhão, a Peggy e o Jarvis já estavam a caminho da casa do cara. E sim, o carinha da maquina de escrever também. Pobre Jarvis, animado para mais uma aventura e a Peggy corta os embalos dele dizendo que voltava sozinha pra casa.

Eu bem imaginei que não seria tão fácil, mas a Peggy bem podia ter pego o caminhão e se mandado, mas não, ela queria informações, e lá foi ela lutar com um grandalhão com o dobro de seu tamanho, tudo tendo como trilha sonora o programa bizarro do Capitão América, e como não rir com a Peggy falando, toda revoltada, "Ninguém mais toma um chá durante um interrogatória civilizado". Então, alguém tenta roubar o caminhão,e foi só ai que eu entendi, que esse carinha que não fala, era o tal Brainn, e que o cara da maquina de escrever queria matar ele também. Muito bonitinho o Jarvis aparecer enquanto a Peggy aponta a arma pro carinha e dizer que sabotou o caminhão pra ajudar ela. E então, as perguntas começam a surgir, como, por exemplo, quem ou o que é o Leviatã, qual dos 'bebês do mal' do Stark ele queria? Bem, nenhuma delas foi respondida ainda, mas a cena de luta, da Peggy com o carinha da maquina de escrever, em cima do caminhão, foi boa de mais. Uma pena que no final das contas, o Brainn não resistiu, estava me afeiçoando a ele... Outra coisa bem legal foi o caminhão explodindo dentro da água, e depois, quando os agentes chegaram, não havia mais água no lago.

Finalizando, a conversa do Jarvis com a Peggy, sobre ela precisar de alguém para auxilia-la e de ninguém conseguir carregar o mundo nos ombros, e ela dizendo "Steve conseguia" e ele falando que não, que ela era o suporte dele, foi bonito de mais. Ainda bem que o Jarvis é paciente, porque a Peggy não é uma garota fácil de lidar, embora vamos concordar que a arrogância dela é ate fofinha. Achei bem bacana também, que, depois da conversa com o Jarvis ela tenha aceito a oferta da Angie e tenha ido fazer a entrevista para morar no mesmo hotel que ela, entrevista essa que foi bem engraçada.

E para terminarmos, ficamos com alguns questionamentos, por exemplo, o que é o simbolo que o Brainn desenhou no chão? E de onde era a chave que a Peggy perdeu e o Sousa encontrou? E sera que eles ligarão a placa do carro ao Howard?? Só assistindo aos próximos episódios de Agent Carter para descobrirmos. Por hoje é isso pessoal, espero que tenham gostado, nos encontramos no próximo episódio *-*


0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...