11 de mai de 2015

Review| The Blacklist - S02E21 - N° 55: Karakurt


"Sua mãe era uma espiã Russa, e agora fizeram parecer que você também é."

Que saudade eu estava de ser enganada e surpreendida por The Blacklist, e olha, depois de toda essa espera pela legenda, foi ótima ser surpreendida com esse final maravilhoso, quem dera a temporada toda tivesse sido assim. Se bem que, no geral, a serie não para de enganar, por exemplo, eu cheguei a pensar e afirmar com uma teoria e tudo que o tal Karakurt era parente ou próximo da mãe da Lizzy e consequentemente da Lizzy, estava absurdamente errada. Mas isso é culpa do Red que não conta de uma vez sobre o passado da menina. 

Para quem acompanha as minhas Reviews, não é novidade o fascínio que eu tenho por episódios que tratam de armas biológicas ou químicas, não por serem armas, mas pelo processo biológico envolvido, gente, criar um vírus personalizado para um determinado grupo de pessoas ativado por um grupo especifico de segmento de DNA, e que transferido para outra pessoa pelo mero contato físico, é fascinante. Mas o que isso tem há ver com esse episódio? Tudo! Desde o momento em que o Karakurt infectou o rapazinho, eu jurei que o alvo deles era a Lizzy, passei o episódio inteirinho temendo que a infectassem e tentando adivinhar porque ela era o alvo, e quando finalmente chegou a hora da verdade, me veio o final, bombardeou minhas teorias e ainda gritou: 'Na tua cara!', me deixando lá, de queixo caído.   

Mas vamos com calma, todos sabíamos, desde o episódio passado, que o alvo do Karakurt era uma
Instalação de Defesa Americana, que havia um alvo mais especifico dentro dessa alvo e que ele vinha de algum comando Russo. Pois então, a informação que recebemos logo no começo é que ele não está em solo Americano a mando do governo Russo, mas sim para fazer parecer que ele está agindo a mando do mesmo e esquentar os ânimos entre os dois governos. O motivo por trás disso não é deixado claro. Até ai tudo bem, a Lizzy e o Ressler vão ate o escritório Russo e Europeu da CIA, tem uma conversa não muito colaborativa com o pessoal de lá, nada fora do normal. Só notei algo suspeito quando o carinha simpático veio atras da Lizzy e do Ressler e a cena apareceu de cima, como se alguém os observasse, mas nem levei nada a serio, até a Navabi ligar informando que o Red havia dado novas informações e que havia uma bomba, em caminhão branco que poderia explodir a qualquer momento e instantes depois, quando a Lizzy já está se aproximando de um caminhão que bate com a descrição, o Aram vê que a localização do caminhão bate com o local onde os dois estão. Quase tive um treco quando o caminhão explodiu e jogou os dois longe. Que é isso gente, parece que esses dois tem imãs para bombas fadadas a explodir muito próximas a eles. 

Nessa altura do episódio, eu já tinha certeza absoluta que a Lizzy era o alvo deles, e o Red ligar, todo preocupado pra ela, só confirmava minha teoria, nem me passava pela cabeça outro alvo, eu não sabia como ligariam o garoto do começo a Lizzy, mas isso era o de menos, porque graças as habilidades do Red de ser simples e engenhoso quando precisa de certas respostas, o FBI agora tinha a localização exata do Karakurt e tudo estava indo bem e rápido de mais, até o Connolly - 'amigo' filho da mãe do Cooper - chegar e atrapalhar tudo. A principio eu não entendi o porque o Grupo queria deixar o Karakurt escapar, então me caiu a fixa de que poderia ter sido o grupo a contrata-lo para incriminar ou atingir o Red, mas isso ainda não explicava o porque não deixar o FBI prender o homem, então a Lizzy e o Ressler são desviados do caminho ate o Karakurt e adentram uma estação onde encontram, adivinha quem? Ele mesmo, Karakurt em pessoa! Que jogou a Lizzy na parede e fugiu, me deixando tão de cara quanto o Cooper.

Falando no Cooper, finalmente ele chamou o Red e contou o que estava acontecendo, já estava mais
do que na hora, sim que isso soa inverso, tipo, confie no homem mais procurado do FBI e não no seu amigo que você conhece a 20 anos. No entanto, pesando os fatos, o Red é sim muito mais confiável que o Connolly, e agora o Cooper tem o apoio do Red e pode voltar a fazer a coisa certa, sem correr o risco de ser retirado do programa e perder o tratamento. O que me assustou um pouco, foi a Lizzy conversando com o Red em dado momento e dizendo que o Grupo estava um passo a frente dele, eu não acreditei muito a principio, só que é verdade, por mais assustador que seja, o Grupo está conseguindo se manter um passo a frente dos planos do Red. Bem, seguindo, a partir do pendrive que o pessoal da CIA deu a Lizzy e ao Ressler antes de tudo explodir, o FBI chegou ao Dr. Leo Andropov, muito especializado em microbiologia, e no 'laboratório' caseiro dele, encontraram as anotações do que o tal vírus fazia. E aqui, não consegui não ri com o Red levando a Lizzy ate uma microbiologista que poderia traduzir Russo e ainda chamou o Red de Redizinho. Momento engraçado a parte, é ai que fica claro o que é a arma biológica altamente especifica que o Dr. Leo havia criado. 

Adoro a forma como o Red faz a Lizzy encontrar as respostas que ela precisa de forma tão natural, rápida e coesa. Em questão de minutos ela ligou a arma biológica criada para matar um único individuo, e consequentemente aqueles que herdarem e de quem ele herdou uma parte do DNA, a missa em homenagem aos mortos da explosão que matou aqueles Agentes da CIA. O que, confesso, me deixou meio chateada, porque a Lizzy poderia não ser o alvo, mas então quem seria? Red nos responde minutos depois, ao pensar que esse tipo de arma biológica não fica pronta da noite para madrugada e que ele deveriam ter feito testes em alguém, chegando assim ao menino que morreu no começo e em quem era o pai dele, o Senador Hawkins, verdadeiro alvo do Karakurt. Que tensão aquele povo todo protestando e o pessoal das agencias nacionais e internacionais de segurança, inteligência, espionagem e sabe-se lá mais o que chegando e nada do Senador aparecer, e eu ainda com medo pela Lizzy, o Karakurt já lá, esperando pra atacar e ninguém achava o tal Senador. 

Então, Red entra em cena novamente, e usa o Cooper, de forma muito menos mesquinha, para tentar fazer o Connolly parar o ataque. A forma como o Cooper contou o que estava acontecendo, como disse que seus Agentes estavam próximos de pegar o Karakurt e proteger o Hawkins e a resposta que ele deu ao ser questionado do porque estar contando tudo aquilo, foi tão natural, tão real, que nem o o Red em forma de Ultron desconfiaria que era mentira. O grande problema? Mesmo não deixando que o Karakurt tocasse no Senador, o homem começou a convulsionar e derreter no carro do FBI, e o pior de tudo, não haviam provas de que ele estava tentando matar o Senador, pelo contrario, o cara estava limpo e livre do vírus. Enquanto a força tarefa tentava tirar respostas do Karakurt, o Red fazia um novo amigo, o tal Anton, que havia conversado com o Dr. Leo mais cedo e que também vinha a ser a fonte do pessoal que morreu na explosão e o homem com quem a Lizzy queria conversar sobre a mãe. E foi com esse simpático senhor Russo que o episódio deu uma girada espetacular, girou a mesa e deu xeque mate em tudo que eu imaginava. A Lizzy não era a unica atras de histórias sobre a mãe, outros dois homem já haviam perguntado sobre a filha da mulher e pela expressão do Red, não vinha coisa boa disso. O que eu não esperava é que o encontro da Lizzy com o Karakurt na estação havia servido para infecta-la e que, na verdade, foi ela quem transferiu o vírus para o Senador o matando, como se não fosse o bastante, enquanto o Red a mando fugir, o odioso Connolly entra na força tarefa acompanhado no exato momento em que o Red está dizendo que tudo foi uma armadilha do Grupo para fazer com que a Lizzy parecesse uma espiã Russa assim como a mãe dela era.


Para finalizarmos, o Tom, tadinho, foi tão desnecessário que nem falei dele durante o episódio, tudo o que tenho a dizer é que, não importa o nome que ele tenha, ele sempre será o Tom. E que conhecendo a Lizzy como ele conhece, ele precisa entender que ela não tem uma vida muito normal para planejar um jantar tão encima da hora, ainda mais no meio de um caso em que ela está sendo acusada de espionagem porque o Grupo quer vingança contra o Fulcro. No entanto, a cena do Bacon foi engraçadinha. Quanto ao Red, parece que não há mais como esconder o passado da Lizzy, e pela promo, ele não vai conseguir esconder mesmo, será que vamos, finalmente descobrir o que Ray  Red é de Elizabeth Keen? Quais são as apostas de vocês para Masha Rostova? 

promo 2x22 season finale - Masha Rostova




0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...