3 de fev de 2016

Review| The Blacklist S03E12 - The Vehm


"São fanáticos, como meu irmão, que distorcem o Evangelho para justificar assassinato."  

Depois de uma meia temporada incrível, aqui estou eu me perguntando como pode esse episódio ter sido assim. Não foi horrível, mas também não foi bom. Tivemos bons momentos e muitos desnecessários. Mas está é minha opinião, você pode assistir e achar excelente, eu, particularmente, achei muito abaixo dos anteriores. 

A começar pelo caso da semana, não sei porque, eu nem gosto de palhaços, mas me deu agonia ver aqueles homens torturando o palhaço e o fazendo engolir chumbo quente. Sei lá, é doentio. Foi essa a sensação que o episódio me passou, doentio. Então, temos a Lizzy com os prós e contras de ter um bebê, ok, até vai, ela é foragida, o pai do bebê é um assassino e o possível vovô é o cara mais procurado do FBI. Como eu disse anteriormente, pobre criança. Mas a Lizzy não estava desesperada para doar o bebê, o que deu veracidade a serie. Pra que? Para vim o Red e falar que adicionar o bebê a vida deles era inconveniente. Que é isso Red, não se fala algo assim para uma futura mamãe, ainda mais para uma que se ama. 

Voltando aos homens que mataram o palhaço, o Red os chamou de Vehm, um antigo grupo matava para punir os pecadores, bem famoso na inquisição, segundo o Red, e que usavam torturas bíblicas para punir os pecadores. Tá, a principio pensei que teria uma historia interessante por trás do ressurgimento do tal grupo, e quando o Ressler e a Navabi conversaram com a filha do palhaço, que o viu violentar um menininho, eu acreditei, de verdade, que teria uma boa história atrás do grupo, tipo a do bom samaritano, que fazia os agressores sofrerem a tortura das vitimas. Me enganei completamente. Ainda mais quando apareceu aquele padre (tinha um cargo superior, mas não lembro) entregando o dossiê do próximo 'criminoso' aos carinhas do Vehm. Sim, eram todos criminosos, mas os criminosos que os caras estavam caçando, que seriam pedófilos, como os homens do The Vehm já foram um dia, e agora não são mais pois seus corpos e espírito foram purificados ao infligirem a autopunição e tornarem-se eunucos.       

Faz sentido existir um grupo assim? Faz. Eu só achei sem sentido no todo. Claro, que se tratando do Red, em alguns episódios eu posso estar aqui me redimindo e dizendo que faz sentido, por hora, ache sem lógica. As vitimas não eram pedófilos como o padre alegava serem, ele, na verdade, lavavam dinheiro e alguns eram pedófilos também. De qualquer forma, esse foi o primeiro episódio em que achei o Red um doente. De verdade, ele indo atrás do carinha lá e pedindo pra ele e a mulher cantarem, credo, ele pareceu um doente psicopata. Sim, ele é mal, ele nunca disse que queria ser bonzinho, ele é assassino, meticuloso, calculista e manipulador, porem, em momento algum ele passou essa sensação de doentio mesmo, ele sempre teve uma moral. Como disse, é uma questão de opinião e eu não gostei desse episódio.

Encerrando o caso, o Red chegou ao padre antes do FBI, como sempre, e fez um acordo com ele, contratando os serviços do Vehm para derrubar outro 'lavador de dinheiro' e o Red tirar vantagem nisso, depois o próprio Vehm daria um fim ao padre e meio que acabaria consigo mesmo. Tudo isso para, nas palavras do Red, se prepararem para guerra que está por vir. Tá, que guerra? Guerra deles contra quem?? Explica isso melhor Red que nem com toda minha imaginação eu juntei os pontinhos dessa vez.

Mas vamos falar dos pontos bons do episódio, Aram com certeza foi o melhor, duplamente melhor. Quando o Cooper falou que o Ressler havia indicado a Navabi para voltar e tal, achei tão digno, e quando ela contou ao Aram e ele respondeu: "Alguém tinha que falar essas coisas boas" eu pensei que fosse um pouco de ciúmes. Não, o Ressler continua um babaca, que acha que a Navabi não é confiável, por favor. Quem escreveu as coisas boas sobre ela, no relatório do Ressler, foi o Aram. Coisa mais fofa ele dizendo que a Força Tarefa precisa dela. Serio Navabi, é impossível não amar o Aram. Ainda bem que ela admite que ele é um ótimo amigo. Como se já não fosse nobreza e fofura o bastante, ele ainda viu o Cooper dormindo no escritório e foi fazer companhia ao amigo, mantendo o segredo e ainda dizendo: "Mulheres". Esses Nerds, um dia o mundo será dominado por eles.

E o Tom, eu já tive muito ódio dele, e ainda não morro de amores pelo personagem, mas tenho um coração bem bobo e bom, então, já gosto dele de novo, mas não de mais. Só que é impossível não achar bonito ele conversando com a Lizzy e dizendo para ela ficar com o bebê deles, para dar uma chance a eles, recomeçar em outro lugar. O Tom foi mais maduro que o Red, mas amoroso que o Red, mais protetor que o Red e não impôs nada, apenas pediu. Já o Red, interferiu na tentativa de emprego do Tom, tirou a vizinha que poderia ser uma boa amiga da Lizzy do apartamento e colocou o pessoal dele para vigiar o prédio da Lizzy, assim ninguém poderia chegar até ela sem que eles vissem. Por favor né Red, ai é passar dos limites. Isso não é proteger a menina, é sufocá-la. 

Os únicos atos legais do Red no episódio foram falar sobre a mãe da Lizzy, que eu ainda acho estar viva e matar o carinha que machucou a Lizzy. Eu avisei que quando o Ray pegasse o pegasse ele se arrependeria amargamente, ninguém mandou ele não ouvir. Outra coisa que não pode passar sem ser comentada, o Dembe mandando o cara parar de cantar. E, finalmente finalizando, não acredito que a Lizzy vai mesmo colocar o bebê para adoção. Eu sei que tá dificílimo essa prisão no qual o Red está te colocando, mas não dá o bebê não Lizzy. Eu acho que ela não vai deixar para adoção, acho que ainda vão sequestrar essa criança, ou passar um pouco o tempo, para ter uma criancinha maior, mas ela vai ficar com a criança. Por hoje é isso pessoal, espero que tenham gostado e nós deixem a opinião de vocês sobre o episódio... até *-*

Promo 2x13 - Alistair Pitt


0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...