7 de abr de 2016

Review| Agents of S.H.I.E.L.D. - S03E15 - Spacetime


"Você acha que consegue, mudar o futuro?"
"Nossas atitudes mudam o futuro o tempo todo, a verdadeira proeza seria mudar o passado."

Perdida de mais entre o tempo e o espaço para conseguir organizar a review de forma coerente... o que foi esse episódio, não estavam de brincadeira quando disseram que teria o impacto de Turn, turn, turn - onde o Ward é revelado da Hydra - e What they become - quando a Skye se tornou Inumana - isso que nem teve morte de alguém do elenco regular ou revelação de traidores dentro do time. E ainda assim conseguiu ser um dos melhores episódios da temporada. Fica até difícil dividir em parágrafos, mas vamos lá.

O episódio já começou mostrando a que veio com aquela trilha sonora maravilhosa e o efeito simples, mas impressionante do passarinho com cinzas e fuligem voando ao redor. Então, como que para confirmar, o homem segura a mão do sem teto e começa a chamar pela Daisy com um fatídico "É aqui que eu morro" para finalizar. Por um momento, quando sobe o logo da S.H.I..E.L.D., ate pensei que não iriam encontrá-lo até o meio do episódio, mas o encontraram rapidinho, afinal, precisavam tornar esse episódio o mais louco possível, assim a visão do homem precisava se realizar e de quebra a Daisy ter uma visão de um futuro nada otimista ao segurar a mão do sem teto, Charles, enquanto a Hydra o roubava. E ainda temos o Ward, voltando no maior estilo Matrix Comensal da Morte e instigando o Malick, que já é uma desgraça por si só, a conhecer o verdadeiro poder. Sem contar o Fitz explicando porque o futuro é imutável com a teoria da Quarta Dimensão. Entendi o que ele quis dizer, se tem que acontecer, vai acontecer, mas 'visões' do futuro são como profecias, existem 'n' maneiras de interpretá-las, assim, 'n' maneiras de 'mudar' o futuro. 

Como eu estava com saudade de ver as 'crianças', que há muito deixaram de ser as crianças, do time trabalhando juntas. Uma graça a Jemma, Fitz e Daisy trabalhando juntos, remete aquele clima família da primeira temporada, mas com tudo de bom que a serie ganhou em seu amadurecimento. Quando a May se juntou a eles então, só poderia vir coisa boa disso. Amei a cara do Fitz quando a Jemma disse que ela e a May tinham criado um algoritmo para rastrear  Lash e que esse algoritmo poderia achar o prédio da visão da Skye. Outra coisa que eu super concordei, foi a teoria do Coulson, se a tragédia acontece com a Skye fora da base, então ela não sai da base, a May vai no lugar dela, ele não toca em uma arma até isso acabar e FitzSimmons ficam longe da neve. Na sequencia conhecemos a esposa do Charles, que confirma que ele é um bom homem, apenas atormentado pelos poderes ganhou, ela também explica que tudo que o as visões do Charles mostram é a morte de alguém e que o passarinho que ele esculpiu representava a bebezinha deles Robin, podendo ser tanto um Tordo Americano como um Pisco de peito ruivo. O mais preocupante nessa situação era o quesito 'morte de alguém' podia ser a morte de qualquer um na visão, do próprio Charles e mesmo da Daisy. 

Falando mais um pouco do Ward, que não é realmente o Ward, é preciso admitir, por mais desgraçado que ele seja, por mais raiva que eu tenha do Ward propriamente dito, ele fica muito bem no papel de vilão, ainda mais agora que aquela atitude de colocar a culpa de seus atos nos outros se foi, agora ele é um vilão de verdade e com um pouquinho de vontade, dá para separa-lo do Ward de antes. Estava me perguntando o que ele faria com a mão do Coulson, quando o prédio da visão da Skye se revela o detentor do modelo que o Fitz utilizou para criar a mão do Coulson e por algum motivo, Malick está lá para comprar a empresa. Deu dó do cara quando o Ward foi 'negociar' com ele e mostrou o que iria acontecer, coitado, assinou papeis, implorou pela vida e acabou tendo a visão realizada, Ward sugou a vida de todos eles, tudo por causa de um exoesqueleto (que seria um esqueleto do lado de fora, nesse caso, meio que uma armadura) que deu superforça aos braços e mão do Malick. Olha, se o Ward por si já sabia ser cruel, o Hive é a personificação do mal, como professor então, ele explicando apaixonadamente como se encontrava o verdadeiro poder, que o Malick só sentiria o poder verdadeiro após matar alguém com esse poder, que foi esse poder que assustou o Coulson a ponto de fazê-lo deixar aquela mão para trás, quase vi o Garret quando ele falou pro Malick: "Mas você não teme nada, não é?", até ai acho que ele não temia não, porque matou o pobre homem com louvor, vejamos o que vem a seguir...

E o que falar do treinamento para May ser um segundo mais rápida na briga e mudar o futuro? Gente, que coisa maravilhosa, eu ri com as carinhas da Jemma, a May mandando ela cair, me deu vontade de dar uns tapas no Fitz por ser tão descrente, a Daisy se achou um pouquinho por causa dos poderes, mas amou o resultado final do treinamento, quanto a May, ela foi ótima, mostrou que mesmo sem poderes ainda consegue vencer a Daisy, porque né, todos - ou quase todos - amam a Daisy, mas a May é a May, depois que aprendemos a amar, não dá mais pra esquecer. Achado o prédio, eu já estava esperando pra ver a May mudar o futuro, então, como se fosse praga do Fitz, Andrew resolve se entregar bem nesse momento, já era May mudando o futuro, já era Daisy ficando na base, lá estava o destino se impondo sobre os pobres mortais. O que não diminuiu a adrenalina da luta no escritório, a Daisy já tinha repassado tanto aquele momento que lutou como se realmente estivesse em loop de tempo, foi lindo, mas mesmo assim o alarme disparou e quando o Coulson estava todo cheio de convicção, dizendo que eles estavam loucos e que aquilo não poderia ficar ainda mais louco, eis que aparece Grant Ward. Sim, o dia acabava de ficar mais louco. 

Mas e quanto a visão da Skye - sim, errei de propósito em apoio ao Coulson, - bom o Coulson realmente atira nela, mas não exatamente nela, ele atira no reflexo dela e acaba salvando-a, viu só, visões nem sempre são o que parecem. Já o Lincoln, tadinho, não teve tanta sorte, o rosto dele ficou mesmo coberto de sangue, graças ao Magneto falsificado, a sorte dele foi ser Inumano, sorte essa que mesmo favorecendo a Daisy a deixou na mão. Como eu gritei pra ela usar os poderes, chutar, morder o Gideon se fosse o caso, mas acho que ele pegou ela tão de surpresa que não deu tempo de reagir, o que não me fez gritar menos, já não gostava dele, agora então. Para ajudar, nesse exato momento, Simmons resolve expressar o que muitos estavam pensando, e se a Daisy viu a própria morte? Charles estava lá para garantir que esse futuro, que essa dimensão, que esse espaço-tempo, não funcionaria assim, e num ato de altruísmo, agarrou o Gideon e o paralisou, fiquei muito, mais muito curiosa pra saber o que ele viu, porque seja o que for o deixou apavorado. Finalizando a visão, o Charles está ao lado da Daisy, dizendo que esse final ele pode mudar, e a frase que ela tanto temia "Pensei que você pudesse ajudar" se referia a filha dele, que pode ser uma Inumana um dia, ele só queria que a Daisy pudesse protegê-la, e isso ela pode fazer. Então temos Fitz e Simmons vendo a fuligem cair sobre eles, como neve, e quem não deu um sorrisinho bobo quando a Jemma disse pro Leo: "Acho que devemos dar as mãos agora". Depois de um mini momento fofo, a Daisy tinha que segurar a mão do Charles, mesmo que de leve e adivinha só o que ela viu? Aquela visão assustadora do espaço, com o colar da Yoyo flutuando e uma explosão. Juro que não entendo essa visão e tenho medo de entender.

Antes de finalizarmos, é hora de falar da May e do Andrew, eu tinha certeza que a vacina iria funcionar, era praticamente pra ele que ela estava sendo feita e não funcionou. É difícil ver a May, toda durona, perder o amor da vida dela pela terceira vez em menos de um ano e agora, pelo que ele disse, parece ser definitivo. A conversa entre os dois, embora um pouco fora do contesto agitado do episódio, foi lindo, ele falando que a May era o centro das memórias felizes dele, foi realmente muito bonito. Mas o que mais me assustou foi a frase, anteriormente dita pelo Hive, similarmente falada pelo Lincoln e posteriormente dita pelo falso Magneto: "Eu estou exatamente onde eu deveria estar". Tudo faz alusão à um plano maior e, tratando-se da Marvel, eu realmente tenho medo desse plano. Por hoje é isso pessoal, espero que não estejam perdidos em alguma visão da Quarta Dimensão e até semana que vem, com o que promete ser outro excelente episódio *-*

P.S.: Novamente, aplausos para essa trilha sonora, que nesse episódio, ainda mais que nos outros, foi espetacular.

Promo 3x16 - Paradise Lost 



   



0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...