20 de mai de 2016

Review| Agents of S.H.I.E.L.D. - S03E21 e 22 - 'Absolution' e 'Ascension'


"A memória é a escriba da alma"

Ainda me sinto culpada pelo Fallen Agent, passei a semana surtando sobre quem seria, então começou aquele joguinho doentio - e que todos amaram -  da ABC com as chamadas mostrando um pouquinho de cada personagem e a tag R.I.P. (o nome do Agente), analisei o negocio de todo jeito, estava convencida que seria uma das meninas, ai, quando tudo veio a tona, respirei aliviada, mesmo sabendo que o personagem em questão vai fazer falta, não consegui deixar de sentir certo alivio, senti também que não é certo sentir isso... De qualquer forma, foi uma excelente Season Finale, até eu não entender mais nada e tudo ficar confuso, mas foi bom mesmo assim.

Sobre o começo do episódio, desde a promo eu sabia que seria um sonho da Daisy, o que não tornou menos assustador, afinal é Marvel e a Marvel gosta de tornar sonhos ruins em catástrofes mundiais. Até bateu uma dozinha da Daisy, isolada no módulo de contenção, a Simmons a tratando apenas profissionalmente, não sei se a mando do Coulson ou o que, senti pena mesmo, mas ela fez por merecer, e ainda poderia ser um perigo, então foi justo, difícil, mas justo. O que eu gostei mesmo, e acho que gostei mais da primeira parte que dá segunda, foi da ação desenfreada desde o inicio, quando o Quinjet apareceu, oscilando e chacoalhando, com a May, Mack, Yo-yo e Lincoln dentro, achei que eles estavam passando por turbulência, então a May fala que ele não foi projetado pra isso e eu querendo saber pra que, ele estava voando, não estava? Não, ele não estava, Giyera nos explica isso dizendo que qualquer aeronave, camuflada ou não, será vista se sobrevoar a Ilha, por isso, a S.H.I.E.L.D. veio pelo mar mesmo. Serio, adoro esses caras.   

As cenas de luta dentro do complexo e a corrida pelos códigos de cancelamento do lançamento da ogiva foram a mistura perfeita de adrenalina e comédia. Impossível não rir com o Fitz gritando igual um macaco antes de fingir ser o cara que poderia liberar o acesso aos códigos, da mesma forma foi impossível não ficar apreensiva com a contagem regressiva, ou com o Hive saindo atrás da S.H.I.E.L.D. com aquele olhar bovino e maníaco, ao mesmo tempo, a Yo-yo chamando o Mack de tartaruga foi um amorzinho. No meio disso tudo temos a Daisy, em um momento abstinência e autopiedade, a atuação da Cloe está magnifica, mas ainda fico com o ponto de que a Daisy estava chatinha, está sob total abstinência e precisa ficar mantida ali, mas não precisavam desse foco nesse momento, poderiam ter focada todo tempo no complexo e luta com o Hive, mas eu sei que era necessário aquela conversa pai e filha deles, então, tá valendo. Até porque, é ai que descobrimos o uso da maquina de memória, ela foi tirada do armário única e exclusivamente para o Hive e seus efeitos sobre ele foram brilhantes. Amei a Yo-yo fazendo o trabalho que Mack demorou horas em uma única corrida, assim como o Lincoln detonando no choque do trovão e ativando a maquina fritadora de cérebros. A principio eu não entendi o que estava acontecendo, só sabia que estava sendo legal ver o Hive perder, então as memórias começaram vir a tona, milhares de anos de memórias roubadas, suprimidas e armazenadas lutando por seu espaço em uma mente que já não podia conte-las. Simplesmente genial. 

Enquanto o cérebro do Hive é frito, May esta lutando com os cachorrinhos de estimação do Hive, acredito que seja unânime, mas é muito bom ver a May lutando e vencendo, não tem uma season finale que ela não dê uma surra em alguém. Dr Radcliff também foi hilário, implorando para a May leva-lo com ela, isso sem contar na comemoração dele quando conseguiram, de forma brilhante - esse episódio foi cheio de brilhantismo - prender o Hive no gel- matriz. Hive capturado, mas ogiva levada pelo Giyera, ainda com um patógeno potencialmente destrutivo dentro dela. De volta a base, e eu não sei porque levaram o Hive para base e não o explodiram no caminho, mesmo com os elogios do Talbot, o episódio só estava no meio, havia muito pela frente e trazer o Hive para base não parecia uma decisão muito acertada. De qualquer forma, em mais um momento com o Daisy, o mais correto na minha opinião, Mack faz o que já deveriam ter feito há muito tempo, entra na contenção e conversa cara a cara com a Daisy, ele disse que a perdoava, que não se importava, que ela era parceira dele, mas em momento algum disse que ela não era culpada ou precisava esquecer o que fez, e era disso que ela precisava, disso e daquele abraço protetor e cuidadoso que ele ofereceu à ela.

O mundo desabando, Primitivos podendo ser a nova raça dominante do mundo e a Simmons marcando uma viajem para dois. É a primeira vez que eu a vi não pensando no trabalho, isso que o que estava acontecendo era puramente biológico. Coisa mais lindinha a relação com o Fitz, ele dizendo que ela não era romântica, tadinha, bem no fim não é muito mesmo, mas é uma graça mesmo assim. O momento fofura acabou tão rápido como veio, porque é que o Fitz precisava vestir uma jaqueta da S.H.I.E.L.D. justo hoje, quando ele nunca vestiu uma em três temporadas? E porque levar o colar pra Yo-yo, guardasse em lugar seguro e depois falava pra ela, mas não, tinha que levar as duas coisas que estariam com o Fallen Agent, ainda para verificar o gel do Hive, que não estava totalmente dentro da base. Claro que deu merda, as peças que atrasaram, para fechar as portas do angar, não atrasaram, elas nunca chegaram, em seu lugar veio a 'Absolution', um pouco do gás que cria Inumanos primitivos, e quem estava no Angar? O Fitz, porque meus nervos precisavam ficar a flor da pele. Que sufoco, parecia que a qualquer momento pegariam o Fitz e ninguém poderia fazer nada e não podia ser o Fitz o Agente caído, nem sei dizer o alivio que foi quando a Jemma, em uma linguagem só deles, conseguiu ativar as portas e salvar o Fitz e mais um Agente. Alivio bem temporário, porque as criaturas libertaram o Hive e ele conhece cada detalhezinho da base. Eu não disse que deixá-lo lá era uma péssima ideia!   

Para piorar, a Daisy vai atrás dele, já estava pensando na surra que ele levaria, ai a menina se ajoelha e implora para ficar sob o controle dele de novo. Vamos lá Daisy, reage menina. Como a primeira parte terminou ai, já fiquei torcendo pra ser um plano, não era, ela estava desesperada para preencher o vazio deixado pelo Hive, igual as pessoas que largam um grande vicio mesmo, sorte foi o Lash ter a deixado imune a ele, se não já era. Sorte também a paciência dela está no limite, porque a luta entre os dois foi épica, cheia dos efeitos, e caras bocas, épica na medida certa, falem o que quiserem, vou sentir falta das lutas com o Brett. PObre Daisy, deu o melhor de si, quebrou todo angar, e foi vencida pela praga do Hive, que ainda a sequestrou para usar como escudo. Não fosse tenso o bastante, ter a Daisy em um Quinjet, com a ogiva, condenado a explodir e matar um agente, a May e o Fitz ainda embarcaram clandestinamente no Quinjet, ambos usando o uniforme da S.H.I.E.L.D.. É tortura de mais pra uma pessoa só.

Enquanto isso, os Primitivos invadiam a base usando os dutos de ventilação, trazendo sustos em dose dupla, primeiro com o Mack chegando atrasado na sala de armamento e levando sei lá, uns seis tiros, cada vez que ele colocava a mão na barriga meu coração disparava, ai nada, então, ele olhou pra trás e a Yo-yo estava segurando o estômago, achei que ela estava sendo um Pietro 2.0, demorei pra ver que foi um tiro só. E quando percebi, quase tive um treco ao ver como eles pretendiam - e fizeram - o sangramento parar, é serio, esses primeiros socorros usando maçaricos não podem ser comuns. Em outro ponto, temos a pequena e genial Simmons lutando sozinha, quase pensei que o cara iria matar ela, ainda bem que ela estava sem o uniforme, então ele saiu e ela rapidamente deduziu que eles enxergavam por infra vermelho, ou seja, aumentar a temperatura os faria ver o mesmo espectro de cor em todo lugar, os deixando livres. O Doc pode ser maluco, mas é um maluco que está valorizando FitzSimmons em um episódio mais do que o time em três temporadas. Achei uma graça que dessa vez não foi um extintor que a Jemma usou, mas como disse o Coulson, ainda bem que ela errou, seja o que for que ela tenha arremessado, pareceu que machucaria bastante. 

No Quinjet, May tem uma conversinha com a Daisy, outra conversa bem desenvolvida, sem absorção de culpas e coisas do gênero, apenas a May explicando como a vida seria dura dali pra frente, mas que precisava ser seguida, amei ela dizendo: "Eu não estou nem ai para os seus poderes, não foram eles que fizeram de você uma Agent da S.H.I.E.L.D., eu fiz". Pena a praga do Giyera estar lá e derrubá-la, em contra partido, mesmo desesperado e, tenho certeza, com muita raiva, Fitz estava lá, eu achei que ele estava blefando, falando da arma invisível feita para matar o Giyera, e quando o Inumano acreditou, comecei a ter uns trecos, pensando em como o Fitz fugiria, só para vê-lo dar três tiros com uma arma, literalmente invisível, esse é nosso garoto. Garoto que, em sua imensa gentileza, deu o casaco com o colar para Daisy. Esse negocio de passar o colar e trocar casacos parecia aquele joguinho de batata quente. Outra coisa que eu nem tenho o que dizer, é o novo braço do Coulson, tem acesso remoto aos Quinjet, tá quase valendo a pena o Diretor ter perdido a mão. Uma pena não existir esse tipo de tecnologia ainda. Atrairia muita gente pela estética, o que, talvez, não fosse bom, mas ajudaria muita gente que realmente precisa. 

Esse Director Coulson é mesmo uma figura, usa os próprios erros e truques em que caiu como forma de aprendizado. Quando ele disse que deixaria o time no hospital, que não perderia ninguém e que era o diretor da coisa toda e eles tinham que obedecer, fui bobinha e acreditei, então, quando ele entrou em um papo cabeça com o Hive, no meio do Quinjet, eu jurei que era ele, ai o Hive mostrou a verdadeira face - eu não leio quadrinhos, mas pesquiso quando precisa e achei ele bem fiel aos desenhos das HQs, - pronto para tomar o corpo do Coulson, só para atravessá-lo e mostrar que era um holograma. Dei gritinhos de alegria, só então percebi que todo time estava lá, no avião, com um Quinjet controlado remotamente acoplado a ele, uma ogiva, o colar da visão e TODOS sem exceção, estavam de uniforme. Serio? Três temporadas sem nem lembrar que a S.H.I.E.L.D. tinha uniforme, ai, justo nesse todos precisavam usar. Pra acabar isso ai viu. Uniformes a parte, a luta do pessoal contra os primitivos foi ótima, adorei ver o Leo e a Jemma lutando e o Mack com sua espingarda machado.

Mas o ponto aqui é o Fallen Agent, e quando o Lincoln foi atingindo pela bolinha de fogo do James, achei que fosse ele, mas ele ficou debilitado de  mais, teve aquela conversa de quebrar corações com a Daisy, implorou que ela poderia ser mais, que não precisava se sacrificar, e eu achei que fosse ela, quer dizer, eu tinha certeza que não matariam uma das protagonistas, mas a voz cruel na minha mente dizia que podia sim ser ela. Então, no momento em que os outros disseram que ele foi atrás da Daisy, achei que fosse o Hive, tanto que ele estava lá, a espera dela no Quinjet, pronto para enfrentá-la e desativar os controles manualmente. Imaginei que outra luta viria, até o Lincoln aparecer e selar o destino. Ele era o Fallen Agent. Depois de todo terror psicológico feito pela ABC, Daisy perdeu seus interesses amorosos de uma vez só. No melhor estilo Peggy/Stive, eu quase chorei com a despedida do Lincoln e da Daisy e depois com a cena muito bem estruturada do Lincoln e do Hive vendo a Terra, em uma última conversa antes dele soltar o colar e deixar a visão se realizar.

Na minha opinião, o episódio poderia terminar ai, porque um salto de três meses, para ver uma Daisy gótica - nada contra, é só que é diferente do que ela era - conversando com a esposa e filha do carinha que tinha as visões, deixando um rastro de destruição e fugindo da S.H.I.E.L.D., eu preferia uma explicação do que houve. Mais confuso foi ver o Coulson pedindo pra botar o Diretor na linha. Oi? Que diretor, ele não é o Diretor, quem comanda agora? Fury? Hill? May? Stark? Rogers?? E porque ela fugiu? Ela falou do pai, ela está com ele?? E o que foi o Dr. Radcliff trazendo sua inteligência artificial a tona? Sempre imaginei que alguém acabaria tomando o Leo e a Jemma do Coulson, mas aconteceu mesmo? o Doc. falou com tanta intimidade, com tanto fascínio de FitzSimmon que me deu até calafrios.  

Enfim é isso pessoal, chegamos ao fim de uma terceira excelente temporada. Contem pra gente o que acharam, o que esperam da quarta temporada, se acertaram quem seria o Fallen Agent. Nos vemos em Outubro, ou em algum momento por ai... Até mais Agents *-*
     

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...