24 de out de 2016

Primeiro Olhar| Class - S01E01 - For Tonight We Might Die


Preparem-se, afinal a aula em Coal Hill Academy vai começar, junto de muitos aliens, sangue e uma grande confusão por rupturas no espaço-tempo da escola. O sinal já vai bater.

Os spin-offs de Doctor Who tendem a não ter da mesma qualidade da série que os originou, e mesmo fazendo um relativo sucesso nunca duraram muito tempo. Class vem com o intuito de ser um novo sucesso para o público mais teen de DW, e com uma importante missão de sustentar uma história sem nenhum personagem já conhecido pelo público.


Enfim quando começaram a sair as primeiras informações sobre este spin-off, não pude deixar de pensar que seria algo Malhação misturado com Wizards vs Aliens, até mesmo com comentários da produção de que seria algo voltado para o público mais novo. Grande engano o meu, e creio de que todos os Whovians, visto que a série não tem medo de ousar, matando os coadjuvantes, com uma grande quantidade de sangue, e até fazer um dos personagens principais perder a perna.

Somos apresentados aos quatro adolescentes principais e que cativam cada uma de sua forma: Charlie é o príncipe Alien gay que agora se esconde na Terra junto da Senhora Quill, que se passa por professora, e com certeza consegue transmitir a energia de Loira Fatal, que não hesita em colocar outras pessoas para morrer antes dela. Temos também Ram, o típico atleta que vê seu mundo se despedaçar e tem que agir rápido diante Corakinus, o líder dos sombrios. A grata surpresa é que nenhum deles cai no esteriótipo desses tipos de heróis. 

Entre as garotas temos April, a garota deslocada do ensino médio, que tem uma leve quedinha por Charlie, planejando o grande baile do episódio. E por fim temos Tanya, uma garota afrodescendente, que é a mais nova e provavelmente a mais inteligente do grupo, tendo que lidar com uma mãe super protetora, cultivando uma amizade as escondidas com Ram. Duas heroínas que mostram que conseguem carregar uma cena só delas.
O episódio gasta muito tempo para apresentar cada um em seu habitat, e depois misturando-os e os levando a enfrentar os Sombrios, que vieram atrás dos Rhodianos Charlie e Senhora Quill, que são os últimos de suas espécies. Vemos assim os cinco tendo que lutar contra os Sombrios, e no ultimo instante o Doctor aparece para dar uma mãozinha, que por si só não rouba o brilho dos outros personagens, mas complementa a coisa toda com um belo discurso, com direito a referencias a Clara Oswald e o seu namorado Danny Pink. Tudo de forma orgânica e deliciosa, nos deixando com um gostinho de quero mais.


Inclusive com relação ao vilão, um ser feito de sombras, que por infortúnio do destino divide seu coração com April, e devrá voltar outras vezes para atormentar a turma e nos dar mais momentos de pura apreensão. Sendo que sua personificação é uma boa amostra de que veremos bons efeitos especiais durante toda a temporada.

Uma série que com certeza deverá nos trazer uma temporada com o mesmo nível de qualidade de Doctor Who. Indico muito que vejam a série e espero que curtam como eu curti.


Obs: Não se engane, os aliens não tem aparência humana originalmente, o que é bom visto que em Doctor Who até nos confins do Universo os humanos são exatamente iguais.

Obs2: Charlie e suas dificuldades nas referencias Pop. E você sabe quem é Idris Elba?
Obs3: O número de pessoas que tem o telefone do Doctor tá aumentando. Quem ai também quer descobrir esse número?


0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...