3 de dez de 2016

Review| Agents of S.H.I.E.L.D. - S04E07 - Deals with Our Devils


"Estou construindo um portal interdimensional com a androide que criei. Se funcionar, posso morrer feliz."
"Estamos colocando nossos destinos em um robô que ouve fantasmas. Se não der certo, você morrerá bem rápido."

Que episódio espetacular a volta de Agents of S.H.I.E.L.D. nos trouxe! Só pra deixar um gostinho de quero mais, já que semana que vem teremos o último episódio antes do hiatus de Natal, lembrando que esse ano não teremos Agent Carter para preenche-lo. Noticias tristes a parte, tudo no episódio foi ótimo, mas, como uma FitzSimmons fã, simplesmente amei a participação de ambos e já começo a me iludir novamente ao acreditar que o Universo está conspirando a favor deles. Mas vamos logo ao episódio. 

Começamos exatamente onde o anterior parou, Fitz, Coulson e Robbie estão desaparecidos enquanto May e Mack invadem o prédio atrás deles, tão perdidos quanto nós ao não encontrar cratera, destruição ou o  menor sinal de explosão. Enquanto isso o time tático encontra o Eli, não vou fingir que entendi de cara o que aconteceu, só notei que o Eli havia matado os agentes com pedaços de carbono puro e pontudo a May e o Mack chegaram até eles e a parede, também de carbono, que o Eli ergueu para pará-los. Na sequencia, temos o restante do time, isso inclui a Daisy porque ela querendo ou não, é parte do time e o Mace vendo a cena da 'explosão', seguida do desaparecimento do Fitz e cia. Assim, se eu não tivesse visto a promo e lida uma coisinha ou outra, teria começado a entrar em pânico e pensar que elas haviam sido desintegrados, mas né, ainda não haviam referências a Doutor Estranho e preferi imaginar que estavam em outra dimensão, provavelmente não muito legal, mas era melhor que a opção de desintegração... De qualquer modo, adoro quando toda equipe percebe o quanto a Simmons é importante, quem acompanha minhas reviews há algum tempo, sabe que não é de agora que reclamo do descaso de alguns personagens com ela, é verdade que ali houve uma discordância de interesses, a Daisy acreditando que a Jemma poderia trazer o Fitz e os outros de volta (no momento em que a menina é sensata, os outros resolvem ser pessimistas), May e Mack acreditam que a Simmons merece saber o que aconteceu com o Fitz, enquanto o Mace a quer de volta porque ela pode colocar um pouco de ordem nessa situação.

Enquanto a isso, alheia a tudo que está acontecendo - graças ao querido Diretor Mace - Jemma encontra o Inumano preso no casulo, que conhecemos episódios atrás como irmão da Senadora Ellen. Em outro estremo, Fitz se dá conta que foi pego pela explosão, no exato momento em que o episódio começou, então nos é apresentada a versão dele, do Coulson e do Robbie dos acontecimentos, o que torna o momento tenso quase engraçado. O Mack e a May falando enquanto o Coulson e o Fitz respondem, sem notar que os primeiros não podem ouvi-los. Sim, quando eles notam isso, a gente acaba sentindo a agonia do Fitz e a falsa calma do Coulson, nem mesmo o Robbie fica bem nessa, já que o espírito da vingança, aparentemente não gosta da dimensão de cores amarronzadas para onde foram mandados e está lutando com ele para sair. A explicação do Fitz para o ocorrido é que eles ainda não estão em outra dimensão, eles ainda não machucam quem tocam, como a Lucy fazia, mas também não podem se tornar visíveis e depois entrar na fase fantasma como bem entendem, sendo assim, eles estão em um processo de transação, presos entre dois mundos, nesse caso, entre duas dimensões, sendo sugados para outro lugar, afundando e o tempo para voltar pra casa está se esgotando rapidamente.   

Outro momento angustia/engraçado, é quando a May quer usar o livro para trazer o Coulson e os outros de volta, mas o Mack é contra e enquanto ambos discutem, Coulson está ali, no meio, como se pudesse ser ouvido, amei ele dizendo pro Mack: "Finalmente alguém que me escuta!". E nessa sequencia também que comprovamos o que o olhar da May já tinha contado, Simmons não faz ideia do que está acontecendo, mas, diferente do que pensei, o Mace foi sim atrás dela, o problema é que a Ellen não quer devolvê-la e eles não fazem ideia de onde a Simmons está, o que só deixa o Fitz mais nervoso, ainda mais quando o Robbie começa a passar mal e contorcer-se em dor, reclamando de frio, até que o Espírito da Vingança sai de dentro dele e vai para, adivinhem quem?? Ele mesmo, Mack, nosso chato de plantão, que conseguiu ser chato até mesmo possuído pelo Ghost Rider. Notando a diferença no Mack, a louca da Daisy agarra o carro/bebê do Robbie sai bem louca atrás do Mack, claro que o Robbie vai com ela, se é pra destruir o carro, que ao menos ele esteja junto. Falando em junto, eu não shippo May e Coulson ou 'Philinda', mas, fui só eu ou mais alguém notou um certo climinha entre eles? Seja na forma como ela insistiu que ele precisava estar vivo ou em como ele tentou fazê-la ver que ele estava vivo, ou os olhares?

Gente, achei que o Robbie ia recuperar o Ghost Rider a força no momento em que Daisy raspou TODA lateral do carro em uma parede, impossível não rir com a cara dela dizendo: "Ele se repara sozinho". As cenas novamente são separadas, primeiro a versão na nossa dimensão e depois onde o Coulson está, mas, para ficar mais prático, vou colocar tudo junto. Ainda bem que a vontade de livrar o Mack do Espírito da Vingança, aliado ao desejo de pegar o Eli mais a obediência inescapável do carro foram mais fortes que qualquer desejo homicida por parte do Robbie. Foi assustador ver o Mack prestes a incinerar a alma do carinha, mas, mais assustador ainda foi ele conversando com ninguém, só depois descobrimos que ele estava conversando com o Robbie, mesmo em dimensões diferentes, sei lá, achei que ele ia dar uma surra no Robbie quando a cabeça pegou fogo, mas o garoto é impressionante, não sei se é estúpido ou corajoso de mais, só sei que ele conseguiu impressionar o Espírito da Vingança com aquele: "Que tal um novo acordo. Ajude-me em minha vingança contra Eli, resolva meus problemas e resolverei os seus, todos eles."

De volta a Jemma, as vezes me pergunto como ela consegue ser mais e mais gentil em cada episódio, ela não é aquela cientista fria que as series costumam mostrar, o carinho com que ela trata cada 'paciente' que acaba em suas mãos. Um pouquinho dessa atenção em nossos hospitais e boa parte dos problemas seriam resolvidos. Enfim, os caras lá só querendo saber em 'que coisa' o rapaz se tornaria e ela já chega conversando com ele, bem louca, tirando a proteção e segurando a mão de um casulo de terrigênese, poderia ter virado pedra, graças a alguma força universal nada, além do desejado, aconteceu. Ela dizendo que ele conseguiria passar pela transformação, que ela estava com ele e então as costas do casulo rachando. Serio, que vontade de atravessar a tela e dar um abraço bem forte na Simmons. Quando, nas cenas seguintes ela começou a retirar pedaços do casulo até deixar o rosto do moço livre, já estav toda 'Ownt, que fofo. Vamos finalmente saber quem ele é', então, aquele outro cientista filho da mãe enfiou um saco na cabeça dela e deixou o pobre homem lá, sozinho e assustado novamente.

Enquanto isso, na dimensão paralela, Fitz dizia ao Coulson o que eu tanto esperei alguém dizer, que ele a Daisy estão jogando a toalha, que isso é egoísmo e que o Coulson não se importou com a Simmons e o interesse do Mace nela e graças a isso agora ela estava em perigo e ele havia desaparecido, que eles haviam discutido e agora ele não voltaria pra casa. Foi necessário o Coulson ouvir isso, foi necessário o Fitz ouvir que o Coulson estava com ele nessa luta. Assim como foi muito legal ver a Aida lendo o livro, mesmo depois do Dr. Radcliffe ter ficado com medo de lê-lo, mais legal ainda foi vê-la construindo aquele portal, como não lembrar do Dr. Estranho nesse momento (Não viu Doutor Estranho ainda? Recomendo fortemente, que assim que puder, assista), achei o máximo, mesmo que a May e o Radcliffe não conseguissem ver nada e o Coulson e o Fitz pudessem ver tudo, foi brilhante, quero mais disso, por favor. Só não foi legal aquela coisa puxando o Coulson sabe lá pra onde. Por sorte a Aida conseguiu terminar o portal a tempo e eles puderam voltar pra casa, no caso do Coulson com um incentivo moral muito bonitinha da May. Como eu disse, não shippo, prefiro a amizade/irmandade deles, mas que algo está diferente entre eles, isso está. Talvez sejam as experiências de morte/quase morte/abdução, vai saber né.

Por fim, temos os momentos fofos entre May e Coulson, a Daisy meio inquieta por ainda estar com o time e o momento mais fofo do episódio, onde Fitz, lindinho e corajoso vai enfrentar o Mace pelo paradeiro da Jemma, momento em que ela, descobrindo a pouco os acontecimentos, chega chamando por ele, se tem coisa mais amorzinho que aquele abraço, estão escondendo. Finalizando, temos o Mack, sentado ao lado da estrutura do portal, com uma foto nas mãos, no verso lemos 'Hope - 2006". Enquanto estava no corpo do Mack, o Espírito da Vingança fala que não precisa de sede de vingança, que a dor do Mack o sustentaria por anos. Acredito que a dor que ele sente seja por causa dessa Hope, agora, quem é ela, só nos provimos episódios pra descobrir. Quando pensamos que vai terminar assim, o portal se abre e liberta o Robbie, que convida o Mack para ajuda-lo a 'resolver seu último problema'. Mas não para por ai, ainda tem o 'voltamos em um momento', com a Aida criando um cérebro do mesmo forma que criou um portal. Não sei, mas isso não me parece um bom sinal.

É isso pessoal, espero que aproveitem, que tenham gostado tanto quanto eu, não deixem de comentar suas teorias e até a próxima *-*
Promo 4x8 -The Laws of Inferno Dynamics 

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...