9 de abr de 2017

Review| Agents of S.H.I.E.L.D. - S04E16 - What if...


"Isso não é o Framework, isso é o inferno!"

O que aconteceria se você fosse colocado em um mundo virtual, onde seu maior arrependimento fosse apagado e sua mente passasse a acreditar que tudo ali é real? E se aquele alguém querido pudesse permanecer vivo? E se você pudesse mudar uma decisão importante? E se sua maior dor fosse remediada? What if, responde algumas dessas perguntas e, de quebra, mostra algumas desgraças que elas podem causar. O Framework, criado para meras simulações tornou-se um mundo de cabeça pra baixo, onde, definitivamente, as coisas não serão simples. O episódio foi tão maravilhoso que nem sei por onde começar, novamente um show de atuação e roteiro.

Daisy acordando de cabelo comprido, toda perdida, acreditando que o Lincoln estaria na cama e encontrando o Ward foi, ao mesmo tempo engraçado e aterrorizante, tadinha, dar de cara com o antigo amor/ atual encosto e ainda descobrir que não tem poderes... quem pode julgá-la por ficar momentaneamente perdida? E gente, mais alguém deu um pulinho quando o Ward chamou ela de Skye? Já estava quase me acostumando com Daisy, vem esse encosto e traz a Skye de volta. Agora, mais assustador do que acordar com o Ward, deve ter sido descobrir que agora ela era uma Agent of H.Y.D.R.A., aliás, amei a mudança de logo pra acompanhar o Framework. E o que foi o Triskelion, notaram aquela estátua da Hydra, gente que isso, a Aida deve ser complexada ou muita desgraça aconteceu. Tipo a teoria do caos agindo ai. Não bastasse tudo isso, ainda temos a May no melhor estilo 'não me olhe que eu mordo' e a Jemma morta.

Alivio foi ver a Simmons saindo do túmulo, tipo, literalmente saindo da cova, como um Zumbi, com direito a dois tiros no peito e voz rouquinha. Não se a atriz estava rouca ou foi algo pra personagem, só sei que ficou perfeito. Parece que nem mesmo em um mundo corrompido é possível corromper nossa Jemma, já que ela foi assassinada ao lutar pela S.H.I.E.L.D., pelo que entendi. Fiquei tão animada ao ver a moça, toda prestativa, ajudá-la, até aparecer aquele maldito ponto de verificação de Inumanos. Isso é loucura de mais, mais loucura ainda foi ver a reação da moça ao descobrir que a Jemma era da S.H.I.E.L.D., parece que só há uma coisa pior que ser Inumano nesse mundo, pertencer a S.H.I.E.L.D.. Ainda bem que a moça era legal e não entregou a Simmons, só pediu pra ela sair. Infelizmente, Vijay não teve toda essa sorte. Fiquei tão animada em vê-lo de novo que nem me toquei que ele estava indo pro interrogatório da Hydra e que a May não era boazinha, nem o Ward, e a Skye não era Inumana. Pois é, o cara, definitivamente não estava com sorte, ainda mais quando a Skye precisa mostrar a May que sabia o que estava fazendo e acabou encontrando um possível traidor na Hydra. Parece que nem tudo está diferente, apenas papeis se invertendo. De volta a Simmons, ela não é mais a garotinha indefesa da primeira temporada, a Skye teve uma mudança drástica no decorrer do tempo, mas Jemma, arrisco dizer, foi quem teve a maior evolução. Amei ela mentindo calmamente para os carinhas da Hydra e ainda desarmando ambos e roubando o carro deles.

De volta ao Vijay, já estava sentindo aquele gelo na espinha desde que a May pronunciou "The Doctor", com o desespero dele ao ouvir que iria ver o Doutor, já tinha certeza que se tratava do Fitz, mas não vou dar uma de sabe tudo, não imaginei que o Fitz estaria tão arrogante, nojento e cruel. Ele mandando a Skye não se meter no que não era chamada e tratando os Inumanos como coisas, ficou ótimo, outra atuação maravilhosa, eu só não esperava vê-lo no topo da Hydra, mas caiu como uma luva pra ele. Quem não me convenceu foi o Coulson, não porque a atuação foi ruim, longe disso, apenas porque uma vida monótona se encaixa pra ele na mesma proporção que uma vida simples combina com Tony Stark. Coulson serve como professor na visão de mestre, instrutor, amigo, não nessa versão Hydra hoje, amanhã e sempre. Enfim, não combina com ele deixar uma criança ser levada para testes sem protestos ou algo do gênero. Assim, quando a Simmons entrou na sala dele, quase contente, eu esperei que ele a reconhecesse, que agonia ela tentando fazê-lo lembrar e ele a mandando sair, serio gente, a Elizabeth merece um premio por essas atuações, dá pra sentir o desespero dela, a agonia, a determinação na voz rouca quando ela diz que não vai desistir dele. E não desistiu, porque aquele "It's a Magical Place" repetido dela mexeu com a cabeça dele, como ela bem pontuou, a mente dele sabe que algo está errado. Isso fica comprovado, mais tarde, quando ele abre a pastinha e tem todos aqueles recortes e questionamentos, uma pena que nesse momento ele já havia entregue ela pra Hydra.

Estou amando o destaque que a Simmons está recebendo, me dá um pouquinho de medo, mas estou amando de qualquer forma. Ela saindo da escola e vendo o menino pichando o carro dela. Adorei aquele: "Você nem mesmo é real, seu pedaço de código rebelde!". A cara do menino, essa Zumbi Simmons voltou muito sarcástica, fiquei com maior medo que pegassem o menino depois dela ter dito que sim, ele tinha razão e a Hydra era um bando de Nazistas, por sorte o Dwarf estava atrás dela e não dele, ele é um bom menino, no final das contas. Bom, enquanto a Jemma fugia, em busca de um lugar seguro, a Hydra tomava conhecimento sobre ela, como uma Subversiva, que deve ser esse povo da resistência, por sorte, ou azar, vai saber, a Skye estava lá quando a May falou da menina britânica e do professor Coulson e saiu, finalmente, ao encontro da amiga. Sei que foi desnecessário, mas adorei a Skye dando um gelo no Ward e mandando ele ficar com o espaço que pediu a ela na noite anterior.

O reencontro entre a Jemma e a Daisy também é algo que merece destaque: "Vi que você estava morta. Espere, você ainda está morta?" "Não, já me sinto bem melhor agora.". Essas duas, amo a amizade entre elas, lá estavam, discutindo como os amigos estavam diferentes nesse novo mundo, discutindo quem havia tido o dia pior, quando aparece Grant Ward. Não importa qual seja a dimensão, realidade ou multi-universo, a Jemma sempre vai ter birra do Ward, lindinha. Agora, admitamos, é bom ter ele de volta, ainda mais no Framework onde, como a Jemma bem pontuou, ele é um traidor, mas dessa vez para resistência, onde ele protege a Skye, tipo, aquele Ward legal da primeira metade da primeira temporada, achei genial a personalidade dele e o sarcasmo da Simmons, ela perguntando se foi com o Ward que a Daisy acordou e depois dizendo que aquilo era o inferno, só deu dó quando o Ward falou que os drones estavam a caminho e ela reconheceu o projeto dela e do Fitz. Bem no final, depois de toda fuga de carro, a Skye já está sentindo algo pelo Ward de novo, visto que ela pediu desculpas por comprometê-lo ao revelar que a identidade do Vijay era falsa. Quero mais desse Ward da resistência.

Supostamente seguras, Daisy e Jemma discutem o Framework, a falta de falhas, como essa realidade mexeu com a Daisy e decidem que precisam voltar e pedir ajuda, uma decisão lógica, entretanto, impossível. Parece que a Aida de fora está em sintonia com a de dentro e já reconfigurou as coisas, as meninas podem ter as memórias, mas já não podem sair do Framework. Pra finalizar a desgraça com chave de ouro, temos o Fitz sendo arrogante com a May e a lembrando de Cambridge, onde a Katya matou dezenas de crianças e começou a guerra contra os Inumanos, acho que foi uma forma de mandá-la não falhar na procura do traidor, em seguida, ele vai ao encontro da Diretora que é, ninguém menos que Madame Hidra, encarnada no corpo da Aida. Gente, que ódio em ver o Fitz todo 'babão' por ela, com ideias tão cruéis e ainda a beijando. Não pode Fitz, não pode! Ao menos, depois do 'voltamos em um momento', temos um momento de esperança onde, após a conversa com a Simmons, ao ver a Daisy e ouvi-la o chamando de família, o Coulson se lembrou da Daisy.  

Ao que tudo indica, esse pode ser o melhor arco da temporada, talvez até mesmo da serie, ao final do episódio, alguns questionamentos me vieram a mente:
*O Fitz está assim, tão cruel, por ter convivido com o pai ou por não ter a Jemma na vida dele?
*Essas pessoas, são pessoas reais ou dados criados pela Aida a partir de memórias?
*Existem mais humanos ligados ao Framework?
*Porque a Aida resolveu que seria melhor ter a Jemma morta no Framework? Foi pelo Fitz ou tem algo mais ai? E, quais serão as consequências dela estar morta e viva?
*Com o passar do tempo o Framework pode atrair a Skye cada vez mais a ponto dela esquecer a realidade? Se o Lincoln está morto, qual seria a 'dor' que a Aida 'apagaria' da Daisy?
Por hora é isso pessoal, espero que tenham apreciado, não deixem de dividir conosco suas teorias e até a próxima :)

Promo 4x17 - Identity and Change




0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...